am.abra

Fabricantes da bebida registram um salto nas vendas; eventos e bares destinados a bebida ganham espaço no mercado

A moda do gin tem trazido bons retornos para a Diageo, aponta o balanço da empresa de julho de 2018 a junho de 2019. A alta de 11% das vendas no Brasil foi elevada devido à popularização da bebida. Por aqui, o crescimento superou o da média mundial, que aumentou 6,1%. O faturamento global foi de 12,9 bilhões de libras em vendas e 4 bilhões de libras em lucro operacional. “Esses resultados refletem o firme progresso que estamos fazendo e, ao olharmos adiante, vemos oportunidades de prover um crescimento consistente e criar valor para o acionista”, disse em comunicado para o comunicado Ivan Menezes, presidente global da Diageo, dona de marcas como Johnnhie Walker, Ypióca, Smirnoff e Guinness.

No período, as vendas de gin da empresa cresceram 23% mundialmente, puxada pelo avanço do Tanqueray que teve alta de 21% nas vendas.

O mercado da bebida destilada, à base de zimbro, vem crescendo no Brasil. Só de 2016 para 2017, o consumo de gin cresceu 111% no país, de acordo com um levantamento da International Wine and Spirits Research (IWSR), consultoria de consumo de bebidas alcoólicas. Só as marcas da Diageo venderam “dois dígitos” a mais nos últimos 12 meses.

A especialista afirma que só em São Paulo já existem mais de 10 bares que servem somente gin. A cidade já recebeu a Gin Week (semana do gin), sem falar dos eventos semanais dedicados à bebida. Até bares mais tradicionais estão contratando mixologistas e criando cartas especiais de gin.

As possibilidades de misturas com especiarias, frutas, flores e outras ervas fazem com que a bebida agrade diferentes paladares, desde os que preferem algo mais leve como um gin tônica cítrico, ou elegante como um Dry Martini (preferido do personagem James Bond 007), até os fãs do Negroni, forte e amargo.

O gin foi criado há vários séculos, na Holanda, como um tônico, um remédio. A crença era de que teria propriedades diuréticas, antiinflamatórias e digestivas. A bebida acabou se tornando uma das preferidas no Reino Unido, onde ganhou versões que se tornaram clássicas, como o London Dry. Agora, conquista adeptos latino-americanos.

“Entendo que tem uma consistência nessa moda, porque é uma bebida atraente e bem conceituada. Vendeu muito no Brasil décadas atrás. Todo mundo tem dado mais espaço para o gin nas prateleiras e vêm aparecendo fábricas nacionais”, afirma Percival Maricato presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em São Paulo.

Concorrência nacional

Quando o mercado vai bem, a concorrência fica de olho. Só nos últimos três anos, mais de 20 marcas brasileiros começaram a produzir gin.

Os produtos nacionais já estão até ganhando destaque e prêmios mundo afora. É o caso do Amázzoni, que menos de um ano após o lançamento conquistou o prêmio de melhor produto artesanal do ano no World Gin Awards 2018.

Outras marcas internacionais como o Bombay Sapphire, da Bacardi, e o Beefeater, da Pernod Ricard, também disputam um cantinho da prateleira do brasileiro. O próprio Gordon’s, também da Diageo, cresceu 27% de 2017 para 2018, segundo a IWSR.

Clube de assinatura

A febre do gin ajuda ainda no surgimento de negócios. É o caso do serviço de assinatura de bebidas Drinks&Clubs, startup financiada pela Pernod Ricard, dona de marcas como Absolut e Chivas.

A proposta da plataforma virtual é a venda de pacotes de até 4 meses, com conteúdo e produtos exclusivos, além de destilados de várias marcas.

Também há possibilidade de compra de bebidas avulsas com desconto para quem se inscrever gratuitamente no clube. Por um sistema de pontos, são ofertados descontos e brindes, que podem ser até ingressos de shows internacionais.

Segundo Gabriel Fernandes, gerente de Drinks&Business da Pernod Ricard Brasil, a plataforma funciona como um jogo, em que etapas e desafios são completados em troca de benefícios. Por exemplo, ao responder um quiz, o assinante já ganha 30% de desconto nas bebidas.

“Quanto mais jogar e se engajar nos desafios, mais Clubinhos os consumidores terão. Deste modo, eles poderão trocar o câmbio acumulado por benefícios de seu interesse e receber em casa muitas surpresas”, destaca.

Fonte: Valor Investe. A matéria completa, com receitas com gin está disponível no site.

Comentários